Força Aérea participa em exercício NATO de ciberdefesa

A Força Aérea participou no NATO Cyber Coalition 2013, um exercício de ciberdefesa com mais de 30 nações envolvidas, que em Portugal teve lugar no Comando das Forças Terrestres em Oeiras, de 26 a 28 de novembro.

Uma das novas facetas dos conflitos modernos é, cada vez mais, o ataque informático. Trata-se de uma ameaça real, complexa e sofisticada, que requer um empenhamento diário na defesa de redes e sistemas informáticos.

O exercício simulou vários ataques cibernéticos diretos e indiretos, como tentativas de phishing, divulgação de malware, etc. O objetivo principal foi treinar pessoal técnico para lidar com este tipo de ameaças e também testar a capacidade dos países NATO para trabalhar em estreita coordenação e cooperação. A sede do exercício este ano foi Tartu, na Estónia.

A Força Aérea marcou presença com os seus próprios técnicos informáticos, juristas e relações públicas. Os três ramos das Forças Armadas estiveram envolvidos, naquela que foi a sexta edição deste exercício. Portugal participa desde 2010, ano em que foi observador. A partir de 2011 participou sempre como elemento ativo.

Para além de 28 nações NATO, participaram também outros cinco países não-membros, como Áustria, Finlândia, Irlanda, Suécia e Suíça. A Nova Zelândia e a União Europeia fizeram-se representar como observadores.

 

Por: RQ

ALF/RHL